segunda-feira, 11 de julho de 2011

Fazer falta, sentir falta. Saudades!

E mais uma vez começo meu texto falando que não posto nada a muito tempo; mas muuuito tempo mesmo dessa vez! Não tenho razão, mas escrever sempre não é pra mim, e não tenho paciência.. mas cá estou de volta.
A viagem tá cada vez mais perto da reta final, e agora eu olho pra trás e vejo como passou rápido, e como tanta coisa mudou em pouco tempo. Parece que foi ontem que eu estava indo embora do Brasil praticamente forçada e esperneando dentro do avião. Parece que foi ontem que eu rejeitava me adaptar à Vancouver e chorava todos os dias. E hoje estou aqui, fazendo as últimas coisas e totalmente apaixonada pelo Canadá - principalmente por British Colombia, Vancouver - e divida entre voltar ou ficar (vou voltar, podem ficar tranquilos!).
É estranho ver como bate a falta de uma coisas bestas, como escutar o telefone tocando no meio do banho, ver floriculturas cheias de arranjos rídiculos, de andar de carro, de todos os abraços e o quentinho especial de cada um deles, e de todas as coisas óbvias que sentimos falta. Mais duas situações em especial me fizeram pensar sobre isso.
A primeira foi no metrô, um casal de 50 e poucos anos, ou bem acabados, e meio louquinhos a princípio, até ela sentar perto de onde eu estava em pé - metrô em toronto é loucura- e eu comecei a reparar realmente nela. Ela tirou uma agendinha da bolsa, dessas meio diário, e logo na contra capa tinham várias fotos, algumas iguais, e todas da mesma pessoa, me pareceu ser alguém que tinha falecido, e me pareceu ser o filho dela. A expressão no rosto dela de saudades e de tristeza por não tê-lo por perto me tocou. O jeito de negação com que ela balançava a cabeça por tê-lo perdido, e o jeito como ela acariciava a foto como se pudesse tocá-lo foram o suficiente pra encher meu olho de lágrima. Era uma cena da qual não iria me tocar tanto à 5 meses atrás, mas sentir falta de vocês me fez ver como fotos podem nos fazer sentir mais perto, e agradecer por ter vocês ainda aqui comigo, mesmo que distantes.
A outra foi agora, quando eu escutei uma batida fraquinha na porta do meu quarto. E depois de passar uma semana sem ver os meus pequenos hostbrothers, eu senti falta de ter mil e um brinquedos pela casa, e acordar as 8am com crianças correndo pelo casa. Quando abri a porta era o Noah (de 4 anos) com um pijaminha do buzz lightyear, e ele simplesmente começou a pular e se agarrar em mim igual um bicho preguiça, sempre escorrengando e caindo no chão. Ele ficou repetindo isso mil vezes e eu não tava entendendo o que ele queria. Até que eu o peguei no colo, abracei bem forte, e fiquei balançando-o. E quando soltei, ele virou as costas e subiu pra ir dormir. Foi aí que percebi que ele sentiu minha falta e só veio pedir um abraço de boa noite depois de ter ficado tanto tempo sem me ver. E eu fiquei extremamente feliz com isso!
Acho que ai tá um grande segredo do intercâmbio.. essa coisa de marcar a vida das pessoas em pouco tempo, e delas marcarem você. De amizades e pessoas, que mesmo que você não mantenha contato vão estar com você a sua vida inteira, e você vai estar com elas também. E acho que é por isso que sinto tanta falta de Vancouver, além da cidade ser linda, eu sinto falta das pessoas de lá e o jeito especial que cada uma delas me marcou. Assim como sinto falta das pessoas do Brasil, e consegui ver quem sente a minha também, além de sentir o abraço de cada um, só de pensar em estar com vocês. Aí é que a gente descobre o verdadeiro sentido da palavra brasileira e com orgulho: saudade!

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Is time like this...


Como são os meus ultimos dias em Vancouver (pois é galerinha, eu tenho muita coisa pra contar pra vocês que não postei aqui), e tá todo mundo falando sobre o que aprendeu aqui.. fiquei inspirada e vou falar também!
Aprendi a não ter frescura com comida, caso contrário você gasta muito dinheiro, então aprendi a me adaptar, experimentar coisas novas e descobrir que elas são tão boas quanto o que você sempre comeu. Aprendi a valorizar a comida da minha mãe, que não chega perto de ser a melhor do mundo.. mas eu daria tudo pra ter no almoço de amanhã. Descobri que egoismo está totalmente fora de moda, mas que você tem que ser egoista um pouquinho porque não dá pra ficar dependendo das outras pessoas... então você aprende a se virar, a ter mais amor próprio, saber quando ceder pra vontade dos outros e saber quando é a hora de cederem pra você. Aprendi a ser mais pontual (na verdade ainda estou trabalhando nisso, tenho mais 3 meses pra conseguir!). Mas pelo menos aprendi a me organizar e fazer a minha rota de tranporte publico pro dia seguinte, e a fazer um plano A (mais cedo), plano B (no horario), C (um horario depois, risco de chegar atrasada)! Aprendi que a maioria das pessoas lê SIM o que você posta no facebook. Aprendi a perder a minha timidez de primeiro instante. Aprendi que por mais que você tenha pensando em tudo que pode dar errado, e já ter criado uma solução, o que você nunca passou ou pensou é que vai acontecer. E que vai bater desespero SIM, e que você vai querer que alguem te ajude SIM, e você vai querer chorar no meio da rua SIM! Mas que chorar no meio da rua não tem problema nenhum, e que depois de chorar você fica mais calma, e tudo fica mais fácil de se resolver. Aprendi o quanto é dificil explicar o que saudade pra gente que não tem essa palavra na sua primeira língua, o quanto chorar de saudade é ruim, e como engana-la de vez em quando. Aprendi a acordar sozinha e a marcar um horário pra ir domir (paai, você vai ficar feliz! ou nem tanto, porque meu horário de dormir é tarde do mesmo jeito..). Aprendi por mais que você conheça o mundo, sempre vão ter novas coisas e novas pessoas, que vão te surpreender a cada dia. E que chegar no desconhecido é muito ruim, mas ir embora é muito mais!
ps; Aprendi muita coisa, e esqueci o português, admito! Caso tenha erros de gramática, me desculpem! Hahahaha

sábado, 9 de abril de 2011

Sorry Folks!

Desatualizei tudo novamente! Minha vida anda muito movimentada gente, entendam! Vou falar sobre o que anda acontecendo atualmente e depois eu volto pro dias certinho, ou não! Dia 18 de março, assim que eu completei um mês em Vancouver, eu troquei de homestaay!!! AMÉM! Não sei como eu consegui aguentar aquela loouca por um mês inteiro. Mas sobrevive, e estou aqui, firme e mais forte na minha linda nova casa! Fica um pouco mais longe, em North Vancouver agora, e eu tenho que pegar o Seabus - exatamente como o nome, é um onibus no mar, como se fosse uma balsa.. aquela bem famosa Santos-Guarujá... mas não é aberto, é um onibus na água mesmo, e é liindo quando eu volto na hora do pôr-do-sol, o ruim é que normalmente ele é só de 15 em 15 minutos, e nos finais de semana de 30 em 30 mins, ou seja.. se voce estiver atrasada e perder o seabus.. esquece! - e depois de pegar o seabus eu pego um bus e chego na minha casa. Conclusão, eu tenho que ser MUITO mais pontual agora, mas estou me adaptando a esse pequeno probleminha. Mas tirando a distancia, a casa é absolutamente perfeita! A família (pai,mãe e filho mais velho) é irãniana, e um amor! E agora eu moro com uma japonesa(Chikayo), uma koreana (Jeni), e uma brasileira que veio no mesmo vôo que eu e também mudou da primeira homestay (Rachel). A casa é gigante, e a comida é boa. E EU TENHO UM BANHEIRO GRANDE, AQUECIDO e posso passar a minha vida no banho! Eu tenho wi-fi agora, e não preciso dividir cabo com ninguém, muito menos ter que desligar o computador as 23h. A parte de cima da casa é nossa e a de baixo é da família, e temos uma cozinha e uma sala de estar grandes só pra nós! Estou no paraíso, tá tudo lindo, Vancouver é perfeito, e por isso estou passando mais tempo na rua e menos no meu blog! (mentira, a minha preguiça contribui muito pro meu blog estar desatualizado) Antiga vista do meu quarto Velha louca Pôr-do-Sol no Seabus

quinta-feira, 24 de março de 2011

25 de fevereiro






Minhas aulas de sexta-feira vão só até meio dia. Então fui almoçar no Samba, o restaurante brasileiro que tem por aqui - Fê, você me recomendou não ir lá quando já era tarde de mais! hahaha- não é a melhor comida do mundo, mas quando se está morrendo de vontade de um arroz, feijão e picanha, é sensacional! E sim, é meio carinho! Mas pra ir uma vez por mês, ou só pra conhecer, até que dá.
De noite fomos no jogo de Hockey!! Eu queria ter ido no dos Canucks, que é o time de Vancouver - ao contrário do futebol, aqui só tem um time por cidade, o que é bem legal porque quando tem jogo a cidade inteira fica com a camisa deles, e até nos ônibus fica passando no letreiro "Go Canucks, Go!". É quase quando tem copa do mundo no Brasil, só que semanalmente e a cidade não para de funcionar. Me falaram que os Canucks nunca ganharam, ou ganharam poucas vezes, esses campeonatos, e que normalmente é o time de Toronto que ganha, mas agora os Canucks tão disparados na frente e se eles ganharem vai ter tipo um feriado com festas de rua e tal. - e os ingressos pro jogo dos Canucks na Rogers Arena são muito caros, então assisti o jogo dos Giants, que é o time junior de Vancouver, e que acabam jogando melhor porque são meninos de 17/18 anos que tem chances de irem jogar no Canucks quando ficarem mais velhos, então eles se esforçam mais pra se destacarem e serem escolhidos. Eu não entendi muita coisa do jogo porque não sei regra nenhuma, mas é muito violento pra mim! Tipo, a galera vibra mais gritando "FIGHT. FIGHT. FIGHT" do que GOL! E quando os jogadores começam a se bater, enquanto eles estiverem com capacete e luvas o juiz tenta separar, apartir do momento que ele tiram os equipamentos, eles podem ficar se matando ali que tá tudo certo... e isso só termina quando alguem resolve cair no chão, vulgo arrego! Mas tirando isso é bem legal, principalmente nos intervalos que tem uns entretenimentos... é igualzinho a qualquer filme de hockey! =)


FIGHT! Intervalo.

domingo, 20 de março de 2011

22 de fevereiro

Canada Place

Harbon Green Park

E de noite, Forum. Pra começar as nights canadenses

21 de fevereiro

Meu primeiro dia de aula, nada de interessante. As aulas são bem legais, e bem mais fácil de aprender inglês aqui do que no Brasil, mas isso era meio obvio! Metade da minha escola é oriental e a outra metade é brasileiro, tem uns 4 mexicanos perdidos, e sabe aquele europeu lindo, alto, loiro e com olhos azuis? Então... fica pra próxima!

Depois que acabou a aula encontrei a Má Meira na London Drugs (Querida e famosa London Drugs. É técnicamente uma farmárcia, mas na verdade é tipo uma super superstore e você encontra desde remédio, comida, maquiagem.. até câmeras, iPods, etc. E a que tem em Downtown na Granville é de esquina, gigante e beem visível. Por isso na maioria das vezes é o nosso ponto de encontro) e fomos no Blenz tomar café e colocar as novidades em dia!

AH! E foi o primeiro dia que eu vi neve cair!! Foi só um poquinho, nem dava pra aparecer nas fotos, então eu fiz um vídeo! Eu parecia uma louca filmando a micro neve cair e falando com a câmera, mas louco pelas ruas daqui é o que não falta.. então tá tudo certo!

sexta-feira, 18 de março de 2011

Dia 20 de feveiro - Deep Cove






Encontrei a Jé e as amigas dela de novo, e estavamos planejando em ir no Deep Cove de manhã, e no outlet de tarde, mas acabou atrasando tudo e como estava sol (coisa muito rara por aqui) resolvemos ir só no Deep Cove. É lindoo lá! E tem uma trilha meio afastadinha dos 'pontos turisticos' que foi onde eles gravaram Crepúsculo, e a floresta é igualzinha! Eu tentei tirar milhões de fotos, mas desisiti já que na câmera não chega nem perto do que realmente é, mas acho que em algumas dá pra ter uma ideia. Enfim, puuta trilha cansativa, em uma floresta totalmente íngreme e fria já que a luz do sol não passa pelas árvores, e ainda tem uns doidos que fazem cooper lá pra cima ou levam o cachorro pra passear por lá! Mas depois de caminhas 40 minutos, você chega na pedra onde les gravaram a cena da Bella pulando no mar (Lua Nova), e tenho certeza que várias pessoas estão lendo isso e pensando "foda-se", mas a vista lá de cima é sensacional! Então vale a pena mesmo que você odeie Crépusculo...

terça-feira, 15 de março de 2011

Dia 19 de fevereiro- primeiro dia em Vancouver; Lighthouse Park


Assim que cheguei, ao contrario da maioria das pessoas que chegam cansadas e passam o dia em casa, eu só queria sair daqui! Encontrei minha prima e as amigas dela e fomos pro Lighthouse Park, que como o próprio nome diz, tem um farol! Fica em Norht Vancouver e vale muuito a pena ir! Eu não vi o parque inteiro porque fomos só ver o pôr-do-sol, e tava muuuuito frio. Mas falaram que tem uma praia por lá que vale a pena ir também, portanto eu devo voltar por lá. Mas por enquanto só a fotinho do farol pra vocês.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Here I am!

Depois de praticamente um mês que cheguei aqui, vou atualizar o blog e contar tudo que fiz até agora! Na verdade vou falar como estão as coisas por aqui já que ta todo mundo perguntando.. e depois eu posto o que eu fiz em cada dia.

Cheguei e fiquei muuito bad por estar longe de tudo e de todos. Tudo me fazia sentir falta do Brasil, da minha familia e dos meus amigos. Eu chorava todo dia e queria voltar pra casa. Mais conhecido como homesick! E a minha hostmother não ajudou em nada. Assim que eu cheguei ela já citou todas as regras estilo Hitler. E aqui vão algumas delas: 5 minutos no chuveiro, 15 no banheiro depois do banho (banheiro sem aquecedor e com um vao em cima da porta que entra SÓ um poquinho de ar frio! e um box 3x3 - sim, eu medi!), ela é alergica a cheiros, então eu tenho uma bandeijinha de isopor do lado de fora da casa onde fica o meu desodorante e meu perfume e eu só posso passa-los quando estiver saindo de casa, mas ela pode passar bom ar na casa! Ela é italiana, velha, sozinha, chata e o hobbie dela é cozinhar, por isso eu não tenho motivos pra reclamar da comida, tirando que vou voltar com 30 kg a mais pro Brasil se comer massa todo dia. Mas isso da comida é meio chato, porque é a coisa que mais importa pra ela, então se eu como pouco ela fica ofendida, se eu chego atrasada pro jantar ou não janto em casa, ela fica ofendida também, e nas primeiras semana eu não sabia que se fosse chegar atrasada pro jantar eu precisava avisar, então eu chegava 18h30, mas ela nunca reclamou. Certo dia deu a louca nela e ela falou que eu não respeitava ela, que meus pais não tinham me ensinado a ter respeito, e que eu chegava as 23h pro jantar (na cabeça dela, só se for..), e que eu nunca avisava quando não ia jantar em casa (sendo que só foi um dia e eu cheguei em casa 10 min atrasada pra avisar que nao ia comer e expliquei o que tinha acontecido mas ela é louca e só escuta o que ela quer, portanto ela não ouviu nada que eu falei!), e que não falava com(sendo que foi ela que parou de falar comigo) e mais um milhão de coisas, entre elas me chamar de animal.. Então no dia seguinte fui na escola e marquei minha transferência de homestay. Dia 18, quando completar um mês que estou aqui, vou mudar pra uma homestay que já "conheço", fica em North Vancouver, é mais longe, mas vão ser só 10 minutos a mais da casa que eu to agora, e o conforto que vou ter lá nem se compara com o que eu tenho agora!
Resumindo, já briguei muito com ela, mas já aprendi muito também, principalmente a ignorar! Já me acostumei com a rotina daqui. E sim, estou muitissimo bem e amaaaando Vancouver. Alguns dias atrás eu estava contando os finais de semana - que foi o jeito mais rápido que eu encontrei pro tempo passar - pra ir pra Toronto e depois pro Brasil, agora não quero mais sentir os dias passarem!

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Três coisas sobre Vancouver...

  • Tem um sushi a cada esquina
  • Tem um starbucks a cada esquina
  • Tem mais oriental do que ar pra respirar!